Sociedade Nagô

Sociedade Nagô – O início é um aplicativo gamificado sobre a revolta dos malês, que alterna entre o jogo virtual e tarefas no mundo real. É  financiado pela Secretaria do Audiovisual do Ministério  da Cultura, por meio do edital App pra cultura 2017, sendo a proposta enviada por Alexandre Macêdo Santos e recurso liberado de 20 mil reais. O projeto também conta com parceria da Strike Games e Labrasoft (grupo de pesquisa do IFBA)
A equipe foi formada por 6 pessoas:
Alexandre Santos (gerente de projeto, gamedesigner, roteirista e artista)
Guilherme Ribeiro  (programador)
Rebeca (ilustradora das imagens do diário)
Maria Antônia Gomes (pesquisadora histórica)
Lygia Fuentes (suporte pedagógico)
Studio Vaz (trilha e efeitos sonoros).
Foram 5 meses de produção.
O gênero do jogo é  o point click com influência de grafic novels. Conta com itens de acessibilidade:
  • tutorial
  • volumes de áudios separados (música, narração e efeitos)
O foco do projeto é trazer o conteúdo histórico  da Revolta de forma mais aprofundada com um suporte pedagógico, juntamente com o fator lúdico, minigames, mistério, desafio e tarefas que envolvem emitir opiniões, ilustrar e escrever textos e pesquisar.