Histórico

O Labrasoft – Laboratório de Desenvolvimento de Software – foi criado no IFBA em 2010 com o nome de LABRAGAMES – Laboratório de Realidade Aumentada, Jogos Digitais e TV Digital – voltado principalmente para área da computação gráfica e visão computacional. Até então, os participantes do grupo eram Prof. Antonio Carlos Souza, Prof. Romilson Lopes Sampaio, Prof. Luiz Cláudio Machado, Prof. Ronaldo Pedreira, Prof. Josildo Pereira, Prof. Dr. Antonio Lopes Apolinário Jr. da UFBA, e Prof. Dr. José Valentim Filho da UFRB. O desenvolvimento de jogos digitais, o uso de tecnologias de realidade aumentada e as aplicações para TV digital eram os principais objetivos do grupo.

Em 2010, o grupo concentrou-se três principais projetos. O primeiro, “REALIDADE AUMENTADA APLICADA A BIOENGENHARIA CRANIO-FACIAL” foi aprovado no edital interno de fortalecimento de Grupos de pesquisa do IFBA e tinha como objetivo a criação de um modelo computacional. Eram usadas técnicas de realidade aumentada e visão computacional para visualização de dados médicos, como exames ou próteses, compostos com a imagem em tempo real do paciente, voltado para a área de bioengenharia craniofacial. Tal modelo deveria ser capaz de: a) identificar a face do paciente em um fluxo de vídeo; b) compor, em tempo real, os dados médicos a serem analisados a esse fluxo de vídeo; e c) acompanhar os movimentos do paciente mantendo consistente a composição do fluxo de vídeo e dos dados médicos. O segundo projeto foi o desenvolvimento de um pacote de jogos para TV Digital aprovado no edital de Inovação Tecnológica da FAPESB – Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado da Bahia – em conjunto com o SENAI – Serviço Nacional da Industria – e UNEB – Universidade do Estado da Bahia. O terceiro projeto foi oriundo de uma parceria com a Maternidade Climério de Oliveira da UFBA para o desenvolvimento de uma solução computacional para Acompanhamento Clínico de Recém Nascidos na UTI Neonatal em Conformidade com os Modelos HL7/DICOM. Nesse mesmo ano, cinco projetos para bolsas de iniciação científica foram aprovadas nos editais do IFBA/FAPESB/CNPQ. O que potencializou a pesquisa junto aos jovens alunos do curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas e de Engenharia Industrial Elétrica do IFBA.

Com a entrada do pesquisador Prof. Antonio Maurício Pitangueiras, em 2011, o grupo incluiu a otimização de em engenharia de software como tema e ampliou sua visão de mercado e da indústria. Em seguida, com o convite do Prof. Dr. Eduardo Telmo, iniciamos a execução de projetos de Lei de Informática com empresas como SMS, maior empresa fabricante de nobreak, estabilizadores e filtros de linha do Brasil, em áreas como gerenciamento de redes usando SNMP, Georreferenciamento e missão crítica.

Em 2012, os pesquisadores Prof. Marcelo Diniz e Prof. Fabiano Vaz reforçaram o grupo, trazendo temas como Computação nas Nuvens, Biotecnologia, Robótica e Inteligência Artificial para o Laboratório. Nesse ano, o grupo aprovou mais cinco projetos nos editais de iniciação científica e tecnológica da FAPESB e do CNPQ. Ainda em 2012, foram realizados cursos de extensão na área de dispositivos móveis e tecnologias assistivas.

Em 2013, com a entrada da pesquisadora em Engenharia de Software Profa. Simone Amorim, a vocação para pesquisa, desenvolvimento e inovação em software e tecnologia foi consolidada. Esse clima propiciou a mudança do nome do grupo para Labrasoft – Laboratório de Desenvolvimento de Software. O Labrasoft assinou um convênio com empresas de desenvolvimento de software em Salvador para melhoria do processo de desenvolvimento de software e gestão de tecnologia da informação. Essa parceria motivou alguns pesquisadores da equipe a obter a certificação ITIL Information Technology Infrastructure Library (ITIL) que é um conjunto de boas práticas para serem aplicadas na infraestrutura, operação e manutenção de serviços de tecnologia da informação (TI).

Em 2014, alguns pesquisadores e alunos obtiveram certificação na metodologia ágil Scrum. Nesse mesmo ano,  os seguintes projetos submetidos em editais foram aprovados como:

1. Uma abordagem adaptativa para implantação de processos de desenvolvimento de software em micro e pequenas empresas de Salvador/BA (An Adaptive Approach for Deployment of Software Process – AADSP).

2. Desenvolvimento de um Algoritmo Adaptativo para Alinhamento de Modelos Deformáveis usando SHARED MEMORY EM CUDA.

3. Realidade Aumentada como Ferramenta de Apoio na Alfabetização de Crianças com Surdez usuárias da Língua Brasileira de Sinais.

Em seguida, o Labrasoft teve aprovados seis projetos nos editais de iniciação científica e tecnológica da FAPESB e do CNPQ e dois pesquisadores concluíram o doutorado, alcançando o total de três doutores no grupo e sete doutorandos em estágio de conclusão. O projeto de Iniciação científica “Localização de Placas Veiculares” logrou o segundo lugar no concurso do SICTI do IFBA 2014 em Porto Seguro/BA.

Em 2015, os professores Luiz Cláudio Machado dos Santos e Josildo Pereira da Silva defenderam suas teses de doutorado, adicionando mais dois doutores ao grupo. Nesse mesmo ano, o Prof. Antonio Maurício fez um curso sanduíche na Itália na área de Otimização em Engenharia de Software. Ainda em 2015, nos editais de iniciação científica e tecnológica foram alcançadas 5 aprovações. Um dos projetos tratou da tecnologia assistiva usando o sinal de EEG com comunicação com o Arduino. O projeto de Iniciação científica de desenvolvimento de tecnologia assistiva para deficientes auditivos logrou a terceira colocação no concurso da SICTI do IFBA 2015 em Ilhéus/BA.

Em 2016, o Labrasoft teve aprovados quatro projetos nos editais de Iniciação científica. Um dos projetos do bolsista Amilton Sales abordava a tecnologia assistiva usando o sinal do EEG para avaliar o progresso das funções executivas. O professor Ronaldo Pedreira Silva, atual chefe de Departamento de Computação, defendeu sua tese de Doutorado. Dessa forma, o Labrasoft possuí 6 doutores e 5 doutorandos.